A Rota do Mármore do Anticlinal de Estremoz

Em 2014 foi apresentado publicamente o livro A Rota do Mármore do Anticlinal de Estremoz.

A publicação, da autoria dos investigadores Alfredo Tinoco, Carlos Filipe e Ricardo Hipólito, é o resultado do estudo científico, nascido no contexto académico.

Posteriormente, esse estudo haveria de servir de base ao produto turístico Rota do Mármore do Anticlinal de Estremoz

O estudo contou, desde 2007, com o apoio do CIES-IUL, Centro de Estudos integrado no ISCTE-IUL.

Foi também esta entidade quem promoveu a colecção onde A Rota do Mármore do Anticlinal de Estremoz está inserido.

A temática do livro versa sobre a constituição e definição de um projecto de rota de turismo industrial.

O elemento central a todas as experiências turísticas é a pedra mármore alentejana.

Este recurso endógeno pode ser encontrado nos concelhos de Alandroal, Borba, Estremoz, Sousel e Vila Viçosa, no interior alentejano.

Em função das qualidades desta rocha ornamental, aquela região viu nascer e desenvolver-se uma indústria com influência social, económica e tecnológica com significativo relevo no contexto regional.

O Estudo

É justamente a promoção turística da indústria do mármore o foco central d’A Rota do Mármore do Anticlinal de Estremoz.

No entanto, a indústria não é a única componente prevista neste projecto que, desde a sua criação, ambicionou tornar-se um produto turístico. Procurou-se de facto, fazer o aproveitamento da temática industrial do sector dos mármores do ponto de vista turístico, sem exluir outros factores patrimoniais locais que funcionam como elementos integradores da oferta turística Rota do Mármore do Anticlinal de Estremoz.

Dos patrimónios complementares merecem destaque a componente paisagística que a indústria e a exploração do mármore conferem à região bem como todo o património edificado onde o mármore marca presença, dando-lhe o respectivo enquadramento artístico e histórico. Não menos importantes são outras componentes como a cultura, as tradições e a gastronomia e doçaria locais.

A conjugação destes patrimónios permite enquadrar de forma mais eficaz a indústria do mármore no contexto local e simultaneamente, permite que se possa compreender melhor a actividade industrial dos mármores como elemento de identidade para a comunidade local.

Este é um produto licenciado pelo Turismo de Portugal, conferindo legitimidade científica à ideia e salvaguardando a sua autoria.

geral@cechap.com​

confinanciado por

Close Menu